DEBATES INÚTEIS

Por Pr. Alex Oliveira

Veja um conselho que a Palavra de Deus no dá:

“E rejeita as questões loucas, e sem instrução, sabendo que produzem contendas. E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade, E tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos”. (2 Tm 2:23-26)

Discussão

Seja pela alegria e amor da salvação ou por, simplesmente, querer provar que estava correto, no começo de minha caminhada na Fé eu gostava de debater e discutir a respeito das Escrituras.

Muitos destes debates demandaram tempo, estresse, aborrecimento para os envolvidos (Pv 17:14). Com o passar do tempo percebi que eu era taxado como arrogante e o chato de galocha… demorei, mas, me enxerguei! Percebi também, que não importava o quanto estivesse certo ou exaltado no calor das discussões, não conseguia convencer quem quer que seja! E não convenceria mesmo; primeiro, porque esta não é a minha função, mas a do Espírito Santo (João 16:7,8); segundo, porque todos nós seres humanos temos um senso de importância e orgulho, nos quais, quando feridos, tentamos a todo o custo mantê-los, ainda que estejamos errados.

Em outras palavras, errados ou não, tendemos a fechar o nosso coração para a opinião dos outros em uma discussão, e defendemos com unhas e dentes o nosso ponto de visto; repito: Ainda que estejamos errados! Isto acontece porque fomos confrontados e desafiados em “nossa verdade”; é como se fossemos taxados de burros por crer no que cremos… Quem não ficaria ofendido? Ninguém aceitaria isto! (Lc 22:24). Isto acontece em qualquer tipo de discussão com o esposo ou a esposa, no trânsito, sobre política, valores, moral, religião, etc.

Proponho que você preste atenção e perceba como é raro uma pessoa se dar por convencida em uma discussão calorosa!

Exemplos clássicos e mais específicos são as divergências e discórdias há séculos entre os Arminianos x Calvinistas ou as que há décadas assolam as Nações Islâmicas x Israel. Isto só para citar duas de milhares!

Acho válido pregar, ensinar o que se pensa ou é a verdade (Pv 13:19), mas partir para o extremismo ou apelação como se vê ao longo dos séculos? Não! Acho válido também uma discussão entre as partes divergentes, a defesa do seu ponto de vista ou sua Fé, pois é natural que haja discordâncias e divergências, mas tudo em tom de cordialidade, maturidade, respeitando-se ao máximo as opiniões diferentes (2 Tm 2:23-26). Ao fazer isto, não significa que você está concordando, sendo conivente ou influenciado pelo que “acha” ser errado, mas, estará sendo cordial com o outro e evitando maiores atritos e problemas. Diz a máxima:

“Não há argumentos e lógica que bastem, para quem não quer ou não está pronto para ser convencido do contrário” (Inventei agora… rsrs).

Deveríamos orar antes (1 Tm 2:1-4), durante e depois de conversarmos com alguém e lhe expor as Escrituras (O Evangelho); pois devemos pregar e ensinar, mas quem convence e faz a obra na vida de uma pessoa é o Espírito Santo (Jo 16:7,8). Muitos estão sendo infrutíferos neste aspecto, afastando amigos, desconhecidos, familiares ou os da própria casa, gerando aversão contra si mesmo e ao próprio Evangelho, porque ignoram certas verdades dentro da Própria Palavra de Deus (1 Tm 6:3-5 / 2 Tm 2:14-16).

O grande segredo e o que realmente faz a diferença não é o simples pregar ou falar bem; cantar ou tocar bonito; mas sim, a Unção e o Toque do Espírito Santo na pessoa ou através dela; além disto, é importante viver o que se prega! (1 Pe 3:1).

Nem o Pai, Jesus ou o Espírito Santo obrigam ninguém a aceitá-los, por que nós o faríamos? Tentamos convencer as pessoas, mas na maioria das vezes nós é que precisamos ser convencidos de muitas coisas! (Ap 3:20).

Se o seu ou o meu intuito é apenas satisfazer o nosso ego ou orgulho, vamos em frente, Discutamos/Debatamos com maestria nosso ponto de vista, ignorando o senso de importância dos outros, bem, como o orgulho alheio…

Mas, se nosso intuito é Levarmos as Pessoas a Cristo, precisamos, antes de tudo: Falar menos e viver mais o que pregamos; segundo: Orar e Orar pelos que ouvem, afim de que o Espírito Santo abra-lhes o entendimento e o coração, convencendo-os do Pecado, da Justiça e do Juízo.

Tenho certeza que seremos mais efetivos em levarmos as pessoas à Cristo e não somente Cristo às pessoas!

Deus lhe abençoe!

Esse post foi publicado em Artigos e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para DEBATES INÚTEIS

  1. sueli disse:

    Deus te abençoe pr. Alex, sou sua discípula tb.
    O pr. está certo: Não é por força nem violência…

    Curtir

  2. Silvania disse:

    Paz Pastor Alex, obrigada pelos sábios conselhos.

    Curtir

Participe deixando um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s